July 27, 2006

Protected: Poem…

Posted in For your eyes only..., Private at 12:13 am by pmatos

O papel vai-se, os bit ficam, assim passo para bits o que o meu Amor me escreveu no papel:

Frente

Podereis roubar-me tudo:
as ideias, as palavras, as imagens,
e também as metáforas, os temas, os motivos,
os símbolos, e a primazia
nas dores sofridas de uma língua nova,
no entendimento de outros, na coragem
de combater, julgar, de penetrar
em recessos de amor para que sois castrados.
E podereis depois não me citar,
suprimir-me, ignorar-me, aclamar até
outros ladrões mais felizes.
Não importa nada: que o castigo
será terrível. Não só quando
vossos netos não souberem já quem sois
terão de me saber melhor ainda
do que fingis que não sabeis,
como tudo, tudo o que laboriosamente pilhais,
reverterá para o meu nome. E mesmo será meu,
tido por meu, contado como meu,
até mesmo aquele pouco e miserável
que, só por vós, sem roubo, haveríeis feito.
Nada tereis, mas nada: nem os ossos
que um vosso esqueleto há-de ser buscado
para passar por meu. E para outros ladrões,
iguais o vós, de joelhos, porem flores no túmulo.

Jorge de Sena

Verso

Meu amor…

Este poema é um excerto de um discurso teu, daqui a muitos anos, quando fores mundialmente reconhecido o teu valor, e já tiveres feito inúmeras descobertas fundamentais para o desenvolvimento da humanidade, hà mais importante das quais terás dado o teu nome.
Nome que irá infernizar a vida de muitos estudantes…

Espero que gostes da carteira e que sempre que a abras te lembres de mim e de todos os nossos momentos felizes.

Beijos infinitamente grandes e com muito amor

MatarinaMatos (assinado)

14/07/02

March 13, 2006

Protected: Mais um…

Posted in For your eyes only..., Private at 10:07 pm by pmatos

Mais um texto que encontrei… :)

Tenho de fazer um intervalo, preciso de um intervalo.
Estou todo dorido. Passei a manhã no ginásio a abusar da minha capacidade muscular e de tarde resumi 3 capítulos de ACSI, estudei-os e terminei uma das últimas partes do projecto de Redes de Computadores I. Não pode haver dias pior que estes últimos, não pelo fiz ou tinha que fazer mas sim pelo que não fiz. Não estive com o meu Amor, na verdade verdadeira, não estou com o meu Amor há já alguns dias e estou-me a sentir extremamente sozinho. Não tenho com quem falar, quem abraçar, quem beijar, com quem estar. O meu Amor habitua-me mal… Está sempre comigo, beija-me, abraça-me, fala comigo, dá-me muito carinho eu … ADORO! e depois pronto, nestas alturas fico assim. Felizmente não acontece muitas vezes mas prontos, vou ter umas férias inteirinhas pra ser a 300%, 1000%, .. infinito% dela, depois terei de dividir-me e dar também atenção de novo às aulas mas nunca deixarei de ser pelo menos 100% dela o resto de toda a minha vida. Ai meu Amor, não sei que fazer, tou com um aperto tão grande no coração… Queru tar ctgu! Ao menos sempre tenho aqui o teu peluxe comigo! É lindo, é kiduh, é espectacular, é TEU! Que será que estás a fazer agora? Estarás a pensar em mim? Tu és tão… tão… não tem palavras, qualquer coisa que diga será sempre pouco para te descrever. És tudo aquilo que qualquer homem poderá desejar e muito mais. És a mulher ideal! Fica para sempre comigo, vive comigo, sê feliz comigo, casa comigo, diverte-te comigo, sorri comigo, tem filhos comigo, cria um futuro comigo… eu… já sou todo teu… para sempre… em qualquer momento, para fazer tudo isto que enumerei… e muito mais!
AMO-TE COMO NUNCA SE AMOU ALGUÉM, VENERO-TE COMO NUNCA SE VENEROU ALGUÉM… SÊ MINHA QUE EU JÁ SOU TEU… VAMOS SER UM SER UNO!

Paulo Jorge Matos
8/7/02

Protected: Encontrei…

Posted in For your eyes only..., Private at 9:23 pm by pmatos

Encontrei duas folhas nas quais escrevi sobre ti ou para ti e não me lembro se alguma vez as lestes. No entanto, aqui estão, não vão elas desaparecer e com elas aquilo que escrevi.

Sentei-me na cama, são 23.26 segundo o meu computador do dia 19 de Junho de 2002 e estou a precisar de falar com alguém, como não tenho ninguém para falar espero que as páginas que se seguem libertem esta minha necessidade de transmitir o que sinto. Neste momento e como nos momentos dos últimos quase 3 meses apenas me apetece estar com o meu amor; mas nem tudo são rosas, ou pensando melhor… são tudo rosas existindo apenas alguns espinhos. Espinhos esses que eu e o meu amor vamos aparando de vez em quando, quando julgamos necessário.
Mas comecemos do inicio, afinal de contas, tudo isto começou algures. Esse algures foi realmente num dia interessante e num local interessante mas nesse dia a àrvore do amor já em mim se encontrava plantada, mas afinal vamos ver quando é que apareceu a tal semente.
A verdade, verdadinha é que se eu me tentar lembrar o mais atrás possível apenas me lembro de uma rapariga de uma cara simpática, bonita e monitora que chegara do acampamento de verão da Gaspar Correia do ano 2001 e chorara.
Não percebi porquê, lembro-me na altura de querer ir falar com ela mas não me deram oportunidade porque os “Nunos” já estavam a tentar resolver a situação. Nesse ano, no dia 19 de Julho, exactamente à 11 meses eu dei entrada no hospital Curry Cabral dado que caí de uma grande altura a fazer escalada, na altura amaldiçoei o dia. Hoje pergunto-me se é a isto que as pessoas chamam de destino. Essas férias foram um caos, apenas tive oportunidade de estar em casa, muitas vezes com dores, lembro-me eu apenas de ter feito duas coisas: dar explicações de matemática para preparar uma amiga para o exame nacional de 2ª fase e falar com uma rapariga que aparecia bastantes vezes na internet. Coincidência ou não essa rapariga era a mesma que vi a chorar na chegada do acampamento de verão, o seu nome era (e é) Catarina, a qual durante essas férias vim a conhecer melhor, sempre e cada vez mais à medida que o tempo passava me apetecia conhecê-la ao vivo, estar um bocado com ela, falar sem ser por trás do teclado, conhecer o rosto por detrás do monitor. No entanto, o tempo passou e cada vez mais regularmente nos encontravamos na Internet, no canal do #acampamento para conversar, o tempo passou rapidamente até que chegou um dia que decidi arranjar uma maneira de a ver e também não dar a parecer que estaria realmente interessado em fazê-lo. Bastou um dia mencionar a ideia ao Rui para ele estar interessado em ajudar, ao mesmo tempo o Lourenço também quis. Tinha uma dupla carismática a ajudar, logo pouco ou nada poderia falhar, eram meados de Janeiro e a notícia espalhava-se, começaram a tratar das coisas e o Rui e o Lourenço decidiram “tomar” conta das coisas como é costume. Por mim pouco importava desde que tudo corresse bem e a Catarina fosse. Ela estava também interessada e isso ajudou bastante, o jantar realizou-se, fui buscá-la e por sorte ou azar a Karol ligou-me a dizer que era inútil levarmos dois carros até porque o estacionamento era difícil, assim decidimos ir no jipe dela até porque era maior. O jantar correu bem a não ser uma pêra que para lá houve que aqui para o caso não interessa. No entanto, não fiquei sentado ao pé dela porque me sentaram noutro lado, depois saimos e ela também veio, durante a noite tivemos sentados num bar algures e sinceramente fiquei com a sensação que de vem em quando ela ficava a olhar para mim assim com uma cara que apesar de não perceber porquê, gostei de ver. Fiquei um pouquito triste, no entanto, com o facto de ela ter decidido ir para casa com o Rui. Sendo eu a pessoa que a “trouxe” e a pessoa que falava com ela na Internet esperava que ela gostasse de ir comigo em vez de ir com o Rui mas tive azar. O tempo continuou a passar e chegava o acampamento de Páscoa, o qual seria bastante interessante e daria para ambos nos conhecermos. Dias antes decidi convidá-la a vir comigo às compras para o acampamento, de uma forma ou de outra isso iria fazer com que estivessemos juntos mais tempo no acampamento dado que partilhariamos a comida que comprámos. Neste momento senti que de alguma forma um bichinho me dizia para a conhecer melhor, o tempo que falámos na net não seria em vão, usualmente se algo não me interessa eu não desperdiço o meu tempo. Com a Catarina era diferente, ela estimulava o meu interesse por ela e esse interesse crescia. O acampamento chegara e nós partimos. Todo o acampamento foi excelente, lindo, muitos momentos não esqueci e não esquecerei. A Catarina que conhecera na net deixou apenas de ser uma pessoa da net para ser uma amiga a sério muito rapidamente. Na net vi desde cedo a inteligência e a sua afectividae. A inteligência vi eu através de respostas rápidas a puzzles reconhecidamente não triviais em termos de raciocínio, o seu desenvolvimento cerebral era espantoso. Para resolver puzzles como aqueles que eu lhe colocara eram necessário duas coisas que ela provou ter: um raciocínio matemático avançado ou um reconhecimento de padrões altamente eficiente e um interesse muito grande em querer saber e resolver. A sua afectividade foi algo que desde cedo me prendem a ela. Só o facto de ter alguém a mandar-me beijinhos, desejar boa noite todos os dias e até por vezes a chamar-me kiduh rapidamente despertou também o meu afecto.
Aquilo que descobrira na net era apenas a pontinha de um iceberg de qualidades. O acampamento revelou simpatia, sinceridade, responsabilidade, beleza, sentido de humor e muito mais. O “muito mais” tem coisas como o facto de eu começar a sentir que ela poderia a estar a ficar interessada em mim. A sua simpatia foi revelada a partir do momento em que eu olhava para ela a lidar com os outros e comigo, percebi que ela é uma boa pessoa, os seus olhos mostraram sinceridade quando falava comigo, com algumas “poses” lindas, o seu tempo para brincar e para falar a sério, e aquele afecto que eu tinha vindo a sentir aumentar estava a “amolecer-me”. Eu precisava de pensar, algo em mim estava a crescer mas estava com medo, eu não sentia que a conhecia suficientemente bem, apenas me lembrava de quando à seis anos atrás tinha namorado uma rapariga da idade dela que me deixara para trás apenas porque os pais ou amigos estavam a chatear (coisa que nunca viera a perceber) e seria ela capaz de amar realmente alguém? A minha incapacidade de acreditar em pessoal mais novo e desgosto pelo que muitas coisas que pessoas da idade dela faziam-se andas para trás mas algo foi mais forte. Nós falavamos, riamo-nos, molhavamo-nos, estavamos juntos e ganhei uma confiança e um estado de espírito com alguém que era diferente de algo que alguma vez viera a sentir. O acto de me vir trazer um chocolate à tenda (acto que nunca esquecerei) levou-me a na noite seguinte a lhe ir dizer boa noite, a tentar também demonstrar algum carinho, a abrir o meu coração, abrir o que se encontrava fechado já à algum tempo, a limpar o meu coração de desgostos passados e a prepará-lo para a felicidade futura, a dar a conhecer o meu “eu” e a não apenas a “cara feia”, “voz grossa” e as conversas sérias que a maior parte conhece. À medida que sentia dela uma resposta afectiva, também eu tentava entregar-me um pouco mais. Desde os bons dias, até as refeições, ao lavar de loiça e as boas noites, muita coisa se passou, coisas que o meu coração lembrará com alegria. Quando cheguei e passei as primeiras horas sem ela, fiquei desde logo a sentir o que teria perdido, no entanto, queria conhecer mais, e assim foi.

August 21, 2005

Protected: TFPCF

Posted in For your eyes only..., Private at 4:55 am by pmatos

Tudo farei para contigo ficar…

Birth to death is a ride by its very definition it is unpredictable. There are no guarantees, shit happens, curballs get thrown at us, wonderful things happen. That and how we deal with it is who we are and who we become. That’s the ride!
Do nascimento à morte, decorre uma viagem que, por definição, é imprevisível. Não há garantias… as coisas más acontecem, somos surpreendidos a cada instante, coisas maravilhosas acontecem. É isso e a forma como lidamos com tudo isso que nos define a nós e áquilo em que nos tornamos. É essa a viagem!
— Constance Kaplan, MFT (PsychoTherapist)

Ultimamente temos pensado mais em nós não só porque vivemos algum tempo junto no Algarve o que nos aproximou, e foi maravilhoso, mas também porque a minha ida para Inglaterra, com a chegada do meu email de aceitação na Uni. Southampton, pareceu tornar-se um pouco mais real. Isso assustou-nos!
Não à dia ou noite que não me passe isso pela cabeça e isso assusta-me! No entanto, tenho que arranjar defesas para me defender e penso que já consegui. Seguro-me a duas coisas que não largo por nada deste mundo:

  • O meu Amor por ti é incondicional. Eu não tenho qualquer dúvida que é contigo com quem quero ficar até ao fim dos meus dias. Quando estou junto a ti sinto que não preciso de mais nada para ser feliz! Basta-me ter-te juntinho a mim…
  • e que com a minha ida para Inglaterra não deixamo-nos de nos Amar. Deixamos apenas de estar à distância a que estamos habituados. Ninguém nos obriga a nada. Tudo continua dependente de nós como sempre esteve. Nós somos os únicos que tomamos as decisões relativamente à nossa relação e que afectará o resto das nossas vidas e disto tenho a certeza. Se nós quisermos nada nem ninguém nos separará… nem por 1 ano, nem 2, nem 3 nem mais se fosse o caso.

Por outro lado também sinto que se eu conseguir ir… se eu me conseguir despedir de ti só precisas de me ligar uma vez e dizer que não aguentas mais para eu agarrar nas coisas, desistir de tudo e vir ter contigo porque se um dos meus sonhos é fazer investigação, esse não é com certeza maior do que o sonho de passar o resto dos meus dias contigo. E se não puder conciliar ambos, se tiver que desistir de algo não tenho a mínima dúvida de que tu estás primeiro. E nunca na minha vida, tive tanta a certeza disto. Porque nunca tive tanta a certeza que tu me Amas de verdade e porque eu também de Amo muito.

Existem alturas em que me sinto confiante, noutras alturas nem tanto mas tu, isso eu sei, estás primeiro que tudo…

We all want to control our lifes in a way that we feel safe. And hopefully we make good decisions about feeling safe in life and feeling that we choose partners that help us feeling safe and trusty. And we make decisions that help us feel safe and trusty. Beyond that, buckle in, pay attention, know who you are and what is your sense of self. – I think, I feel, I value – and get ready to grow.
Todos queremos ter controlo sobre as nossas vidas para que nos sintamos seguros. E esperamos tomar as decisões certas para nos sentirmos seguros na vida, e sentirmos que escolhemos os nossos companheiros que nos ajudam a sentir seguros e confiantes. E tomamos decisões que nos ajudam a sentirmo-nos seguros e confiantes. Para além disso, apertem os cintos, estejam atentos, saibam quem são e qual é o vosso sentido do eu. – Eu penso, eu sinto, eu valorizo – e preparem-se para crescer.
— Constance Kaplan, MFT (PsychoTherapist)

August 18, 2005

Protected: QOTAPS

Posted in For your eyes only..., Private at 2:52 pm by pmatos

Quero o teu Amor para sempre…

Este é o primeiro post, daqueles que espero virem a ser muitíssimos… Espero que este seja um local onde possas não só vir ler o que escrevo apenas para ti… mas também um local onde escrevi só a pensar em ti… um local para conhecer o presente, recordares o passado e sonhares um futuro!

Amo-te para sempre…